Fórum do Búfalo

Versão Completa: Uma pequena mas merecida vitória
Esta é uma versão reduzida do nosso conteúdo. Ver versão completa com o formato adequado.
Páginas: 1 2
Olá, pessoal.
Eu entro todos os dias no fórum, para acompanhar as discussões dos companheiros, e acrescentar ao meu desenvolvimento como homem. Sinto que a leitura da obra Como Lidar Com as Mulheres tem me ajudado a enxergar o mundo, e como consequência a mim mesmo, por um viés diferente. As coisas que eu aprendo aqui, não são exclusivamente sobre como lidar com as mulheres, afinal de contas, mas, mais importante, comigo mesmo. Nesta semana, aconteceu algo que eu considero uma pequena vitória, e a maneira como eu agi diante da situação me deixou orgulhoso. Eu não costumava agir da maneira que agi, e agora que olho para trás, eu sinto que caminhei alguma distância neste percurso que é o caminho para se tornar Homem.
Vocês já leram outras postagens minhas. Como expliquei, eu sou servidor público federal, concursado, em um recente certame de 2010. Começar a trabalhar transformou a minha vida e eu realmente desejei compensar todos os anos em que fui imprestável e inútil, dedicando-me como ninguém mais o faz naquele lugar. Primeiramente, quero dizer que falarei sobre uma estagiária, a quem chamarei de Renata. A Renata é uma estagiária do meu setor, não se trata, portanto, daquela outra estagiária de lá com quem eu vinha levando um flerte incipiente. Não, a Renata é uma amiga, e estagiou por dois anos no meu setor, semana retrasada terminou o estágio de Renata. Sempre tivemos um relacionamento semelhante a irmãos. Depois de ler Alita, compreendo que isso efetivamente não existe. Na minha interpretação, a amizade entre homem e mulher é uma mentira insustentável que eventualmente rui, pois haverá sempre tensão sexual no ar, e a expectativa falaciosa do homem de que um dia será recompensado pela sua bondade, e a certeza da mulher de que cabe a ela sustentar a farsa por mais ou menos tempo. Mas, enfim, somente recentemente comecei a conhecer a Real e passei a enxergar a situação do jeito que é. Renata e eu, amigos, e ela me tomando como irmão. Eu, que vinha de sete anos como desempregado, tendo perdido o meu pai, a quem eu amava, por um câncer de pulmão (em 2004) havia pisado em todas as minas e armadilhas, e encorajava-a a estudar, a decidir logo a sua vida. “Você tem 22, eu tenho 32. Aprenda com meus erros. Estude, decida a sua vida, tire a carta da OAB, passe em concurso”. Compreendo hoje que por todo este tempo se operava uma tensão quase subliminar entre a gente, algo como ela me controlando e me escravizando, pelos meus próprios sentimentos e inseguranças, tal como ocorre com todo homem na Matrix. Como eu disse, depois que conheci a Real, compreendi as artimanhas de Renata, e fiquei aliviado que ela sairia de lá do estágio para cuidar da própria vida. Em parte, sinto-me feliz de ter feito um papel de irmão, de ter dado bons conselhos, mesmo livros, para Renata, contribuído com o desenvolvimento dela. Ocorre que efetivamente não sou irmão, e nem tenho interesse de ser. A Real tornou os seguintes pontos a prioridade, em minha vida, a) buscar meu desenvolvimento pessoal; b) engrandecer como Homem; c) ficar com mulheres, livre de inferninhos, joguinhos emocionais e artimanhas que criaram o inferno onde eu sofri por anos. Hoje, voltando no tempo, eu jamais faria as mesmas loucuras que fiz no passado, mas não adianta se torturar com isto.
Enfim. Já um mês antes de ela sair (eu já me iniciando na Real), ela passou anotar distinções em minha conduta. Mais distante e misterioso, e pouco interessado. Renata deixou a repartição, porém avisou que retornaria para me visitar. E retornou, nesta semana que se passou, deu-me um lindo presente. Havíamos combinado que ela apareceria por lá, na repartição, e então eu e ela apanharíamos um terceiro amigo em comum, também ex-estagiário, e almoçaríamos em um excelente restaurante, para comemorar a saída de ambos do estágio, e o começo de um novo futuro para ambos, sabem como é, OAB, concursos...
O encontro se daria hoje, sexta-feira. Na quinta-feira, Renata apareceu na repartição, e me trouxe o lindo presente. Conversamos um tempo, ela me falou sobre sua vida, sobre os planos. Funciona assim: Renata está morando na capital, onde estagiou, e está cursando a faculdade, Direito. Ela está na capital, com a irmã e o irmão. Os pais de Renata, de classe média alta, são do interior, e proporcionam uma vida próspera para os três filhos. Renata é o que pode se chamar de Patricinha. Ela tem um namorado, um cara muito mais velho que ela. Tá aí um detalhe inusitado. Como pode, um namoro à distância?Do jeito que ela me fala sobre ele, parece-me meio capacho, faz tudo o que ela quer e tal. Não tenho muito informações sobre este ponto, a não ser que é bem mais velho do que ela.

Enfim, eu estou na minha ilha trabalhando, na quinta-feira, e Renata aparece por lá. Me dá um abraço, me entrega um presente. Conversamos. Daí, ela pede licença, e vai conversar com o procurador federal (eu trabalho no suporte para o time jurídico da repartição. São como meus superiores, os procuradores). Tirar uma dúvida, algo nestas linhas. Ocorre que ela fica mais de uma hora, na sala, conversando. Vejam bem, nós dois conversávamos, e ela se retirou, e acreditei que daria um alô ao procurador federal, mas passou mais de uma hora ali. Uma mudança no foco da atenção – em um momento, me dá a atenção, em um segundo, retira a atenção e joga com os sentimentos de insegurança, vez que vai falar com um homem hierarquicamente superior.

Daí, a Real me apanhou novamente em cheio. Ei, Renata e eu não somos namorados, certo?Nós somos amigos. Mas... Ela é minha amiga e eu e ela fomos aliados por dois anos, todavia ela se levanta da ilha... e a atenção se volta para o procurador federal. Em outros tempos, eu teria entristecido. Eu não tinha lido Alita antes. Mas então hoje, tendo lido Alita, sei como as mulheres funcionam, e que devemos encará-las sempre como crianças travessas traquinas dissimuladas que merecem corretivos. Quando uma hora inteira se passou, e ela seguiu conversando com o procurador federal, eu dei um pequeno sorriso, guardei o lindo presente na minha bolsa. Renata queria conversar comigo ainda, precisava falar sobre a sexta-feira, o dia seguinte. Sobre como seria. Porém, eu apanhei a minha carteira e tratei de ir almoçar no mercado central, deixei-a ali. Quando estava deixando a repartição, Renata sai momentaneamente da sala, acena para mim e grita algo nas linhas de “Já estarei com você”yaoming. Eu aceno, não demonstro nenhum ressentimento, sorrio e tal, porém eu vou embora, almoçar no mercadinho.

E então, eu tive a minha primeira grande vitória, enquanto Homem. Lembrem-se que eu era um rapaz infantilizado, e depois deste fórum fui me tornando um Homem. Ali, decidi que a atitude dela, apesar de compreensível, afinal é mulher, merecia um corretivo, um pequeno castigo que a devolvesse a seu lugar e rechaçasse os joguinhos emocionais e vadiagem. Bolei o corretivo – eu a deixaria ficar acreditando que sexta feira daríamos a nossa saída, o nosso almoço. Ela sairia de casa, no carro dela, só para me encontrar na repartição, e de lá iríamos ao restaurante no meu carro. E hoje, sexta-feira, desliguei o meu celular, não fui ao trabalho e a deixei ir me encontrar. Para que ela NÃO me encontrasse, para que desse conta de que eu NÃO a havia avisado, justamente para que ela tivesse todo o trabalho de sair de casa pensando no restaurante, na saída, e se ferrasse na hora H.

Pensei que foi uma pequena atitude, mas uma atitude de Homem. Ela cruzou o meu caminho, então eu a castiguei. Um castigo contundente, ela quebrou a cara com essa surpresa, afinal de contas. Enquanto caminhava pelo mercado central, e considerava se isso seria a coisa certa a se fazer, lembrei-me de tudo o que li aqui, e de que se um Homem segue deixando passar as pisadas em seu calo, acaba se tornando invisível, imperceptível, menor, e ninguém mais se importará em partir o seu coração, pois um ser menor nem mesmo coração tem, correto?Enfim, eu hesitei, mas agi assim. Eu não apareci e a deixei quebrar a cara, nesta exta-feira. Desliguei o celular, e não entrei em contato. Pela primeira vez em minha vida, hoje, no final da tarde, foi como se um nó tivesse desatado dentro de mim, e eu me sentisse vivo, pela primeira vez. Foi como se eu tivesse ganhado autoridade, tamanho. É como se antes, eu não existia, porém agora eu deito toda uma enorme sombra na calçada, por onde passo, e existo, e danço dentro da minha própria batida. Eu queria compartilhar isso com vocês, companheiros, e agradecê-los por me ajudar a não me vitimizar, criar vergonha na cara, e agir como Homem.
Olá senhores, meu primeiro post aqui, porém ja conheço a real faz un 8 meses e leio o forum a um bom tempo.

Rapaz, fico contente que tenha se sentido bem com isso, mas eu enxerguei isso mais como uma vingancinha do que um corretivo, ela vai chegar te procurando pra almoçar,nao vai te achar e nao vai entender o que rolou, é mais facil pensar que vc foi sequestrado do que estar "retalhando" a conduta dela.

Sem falar que você pediu um abono, ou pior, faltou o trabalho só pra deixar ela esperando. Foi uma reação desproporcional e inócua ao meu ver.

Aproveita a chance que ja começou errado virando "miguxo" e deixa ela deixa isso de lado.
As mulheres conseguem ver essas birras à distância, se um Homem não quer almoçar, diz-lhe a verdade na cara, não precisa de jogos iguais aos delas, é um não e ela aceita se quiser, problema dela.

Não estou a criticar, é apenas a minha opinião, um Homem só faz o que quer, os outros aceitam ou não.

Mestre Laveley

Você agiu corretamente ao sair pra almoçar sem esperar ela. Afinal, o interessado que corra atrás e você não tinha obrigação alguma de esperar ela terminar de babar as bolas do ex-chefe pra combinar o almoço.

Agora, acho que não precisava desligar o celular e faltar no outro dia no serviço.

Se por acaso ela te ligasse depois ou fosse falar com você no serviço e você ainda n estivesse afim de almoçar, falava na lata: "Olha, ficamos de combinar ontem, você ficou de papo ali com o fulaninho e eu fui almoçar, agora é tarde, vai ter q ficar pra próxima" ou algo do tipo...

Mas eu entendo tua felicidade. Se você era um capacho de mulher, manginão, que fazia todas as vontades delas e não tinha coragem de dizer não, essa tua atitude demonstra sim um sinal de mudança e progresso!
Olá, pessoal, obrigado pelas palavras. Obrigado pelas opiniões, todas válidas. Sim, eu posso dizer que no passado eu era um manginão, então acho que compreendem que a minha retaliação de ontem, embora um pouco tacanha, já é um grande passo.
Eu entendo o que a maioria opinou, e acho que estão certos - vocês estão me dizendo que eu devia ter ido trabalhar, tranquilamente, e quando ela chegasse ali, eu a encararia e explicaria "Ontem aconteceu isso (e contava a parada dela com o ex-chefe) então eu realmente não gostaria de almoçar mais com você".
Em outras linhas, o verdadeiro Homem FICA e a encara nos olhos e joga o "shit-test" no rosto dela, sem medo algum. É o que farei da próxima vez. Ou mesmo se ela aparecer por lá na semana que vem pedindo explicações.
Burt,eu ainda achei errado de vc faltar ao trabalho para fazer isso.
O negocio é falar a situação na cara dela mesmo.
Eu estava quase entrando no miguxismo com uma coroa gostosa,ela é minha vizinha e eu a conheço a 4 anos,e nos no começo conversavamos muito pouco,porem de uns tempos para ca eu estava falando mais com ela,pois ela começou a se achegar aqui em minha loja e eu comecei a ficar louco para traçar ela e ela se fazendo,e o que eu fiz?
Primeiramente eu ja comecei a dar umas cantadas indiretas para ela,e a mesma começou a se fazer.
Ela sempre vinha em minha loja tomar café,e eu nunca me incomodava de servir ela e etc.
Porem comecei a perceber que ela começou a se folgar e querer faltar com o respeito comigo,e o que eu fiz?
Eu parei de procurar ela para conversar,pois comecei a perceber muito profundamente que ela não tem exatamente nada para me acrescentar ou ajudar,a amizade dela é extremamente desnecessária e ela veio aqui no outro dia pedir cafe com total falta de educação,o que eu fiz? Eu comecei a ficar na frente do computador fingindo estar trabalhando,para não dar atenção e ela mesmo e Eu falei a ela;"Só sirvo café se vc pedir com educação";ela começou a se achar e ja soltei outra."Cade as palavrinhas magicas?" e isso se repetiu no outro dia,e eu mantive a postura e fiz de conta que estava extremamente ocupado.
Resultado:
Hoje nos não nos falamos(graças a Deus) e eu não tenho sentido a menor falta disso,hj é um alivio,apesar de eu querer traçar aquela vadia na época,e o melhor,a cada dia tenho cada vez mais me desapegando e ficando igual ao Mandrake aqui do forum.
Só Alita não adianta: tu também precisa praticar. Estou colocando em prática muita coisa que aprendi com a Real e vejo que os resultados são exatamente como falamos aqui, tanto negativos quanto positivos.
Vejam, eu somente comecei recentemente. Eu não tenho o nível dos demais, por aqui, ainda estou engatinhando. Tudo o que disse foi que a minha atitude, por mais tacanha que pareça, foi sim o começo de uma mudança pessoal. Certamente hoje eu não mais faltaria ao serviço e jogaria tudo na cara dela.
O que o companheiro Dick tracy falou, em uma situação dele semelhante a minha, representa o que se deve realmente fazer. Pela narração dele, vejo que ele foi duro e colocou a vadia no lugar ao perguntar a ela a maneira de se pedir e tal. Ele se impôs de forma contundente. Eu vejo que eu procurei me impor, mas me faltou maior audácia. Ainda assim, foi um pequeno passo. Tenho fé em Deus que graças a este fórum, na próxima vez, agirei ainda bem melhor.
Caro confrade Burt, como somos todos irmãos nesse forum dou-me a liberdade de debater qq assunto em prol do crescimento deste grupo. Assim sendo, acredito que realmente esteja começando a ver as coisas por outro angulo agora que iniciou seus estudos. Porem acho que não devemos deixar nossas responsabilidade em prol de mulher nenhuma cara, portanto fez mal em não ir trabalhar. Nosso trabalho é uma coisa sagrada que nos leva adiante qdo não temos uma mulher parasita agarrada enfiando suas raizes na gente. Mas a principal lição nesta historia no meu entender, é que está começando a melhorar os seus conhecimentos da REAL. Continue firme atras do desapaixonamento e se dará bem. Prem começar a ver é uma coisa e outra completamente diferente é manter a disciplina.
Foi um erro me ausentar, principalmente porque eu sou necessário no suporte, e terei de, na segunda-feira, compensar o trabalho acumulado, você está absolutamente certo quanto a isso. E eu realmente creio que trabalho é uma coisa nobre e honrada. Foi o meu primeiro passo no meu desenvolvimento, porque eu somente passei em um concurso aos 30 anos de idade, e por isso eu o valorizo muito. Foi mesmo um erro, se Deus quiser vou me aperfeiçoar e saber me defender melhor das artimanhas das vadias manipuladoras na próxima sem influenciar no meu trabalho.
Burt fico muito feliz por vc tá evoluindo cara. Vejo que vc tá antenado e ciente do seu valor. Como já disseram vc não deve faltar trabalho. Mas no mais é isso ai, seja duro com as manipuladoras, não de moral a elas e terá não só o respeito da sociedade como delas mesmas.
abraçao
Burt, acho que esse vídeo tem algo que se encaixa muito no que eu quero dizer:

pelas suas respostas, ja deu pra perceber que vc entendeu que faltar ao trabalho foi errado, e fico feliz por vc, um homem NUNCA deve mudar seu caminho, seus objetivos, ou sua rotina por causa de imbecilidades que mulheres fazem, creio que quando vc fez isso, vc deu tanto foco à ''contrariar'' a vontade dela, que acabou nem percebendo que tirou a atenção de algo tão importante na vida do homem que é o trabalho, mas o importante é está por aqui e esta evoluindo.

força man, abraço.



O Winchester meteu a real e está correto.
Burt não esquente sua cabeça , pois quando estamos na guerra , toda arma e valida, como voce e eu tambem sou servidor federal, e como não preucupação como se fosse em empresas privadas, deixe o tempo colocar seus pingos no devido lugar,, pois se voce lutou para chegar onde chegou, pois sabia das coisas boas que o serviço lhe traz, no caso da piriguete, melhor coisas e usar a arma moldada ao seu jeito quando amadurecer ao tempo estando confiante ai sim blz faça o melhor, mas o melhor soldado não e aquele que coloca o peito em frente a guerra, mas sim aquele que manipula ou usar todas as artilharias para combater o inimigo, leia o livro as 48 leis do poder la veras que não esta errado, não confunda vingança com corretivo pois voce não matou ninguem, apenas passou o corretivo fazendo a louca experimentar do mesmo veneno, ela quer te colocar de estepe, como peça de jogo, pois o estagio acabou, para conseguir outro somente atraves do amigograma , então ela foi no maior, pois dai voce ja ve , o nivel de interesse, caso o maior não de certo, ela pegara a carta na manga , chamada BUT REYNOLDS, então ela aplicara o golpe final usando voce como muleta para chegar novamente no empreguinho dela, então seja do jeito que for passe o corretivo ao seu modo com o tempo voce aprimora, o importante e saber que voce tem atitude
que não esta dormindo no ponto mexeu com voce, leve do jeito que levar aguente as consequencias, pois voce saiu na hora certa para ser usado como estepe, ou ferramenta de mulher interesseira,desencane do perfeccionismo, com o tempo tudo se aprimora do jeito normal que deve ser a pai real se incubira de colocar tudo no seu modo. cada um luta com a arma que tem , se obteve resultado isso se diz que ela e certa e direta.
Use esse corpo desta estagiaria, veja toda mulher como objeto de uso e abuso, pois ela não esta assim com voce, não seja marmiteiro de esquentar marmita estagiaria ,pra procurador federal comer, va la e coma .






Lendo a sua mensagem, Pragakham, e repensando os últimos anos, o mais impressionante é que ela (chamarei de Renata) foi se apoderando de minha mente de uma maneira insidiosa, quase imperceptível. Era o meu primeiro ano na repartição, 2010, e na mesma época Renata chegou por lá, eu como servidor, ela como estagiária. Algo nela me fazia pensar em uma prima querida minha, com quem eu sempre brigava, mas nós éramos amigos e essa prima se importava muito comigo. Então Renata me ajudava a pensar nessa prima, e no começo eu não tinha qualquer interesse. Em poucas linhas, ela me ajudava a lembrar de uma prima, e eu gostava da companhia de Renata por isso, e a ajudava, e isso significava dar bons conselhos, a orientar. Eu realmente acredito que ela foi grata, e talvez tenha gostado de mim, como irmão ou coisa que o valha. O que ocorre é que assim como toda mulher, ela joga a carta da amizade, porém inconscientemente tenta te seduzir a apreciar a sua companhia, a sua amizade... A se apaixonar, porque, afinal de contas, eu sou homem, ela é mulher. Então penso que ela fez uso destes meus sentimentos, desta amizade confusa onde inconscientemente ela procurava me envolver cada vez mais, para mexer com a minha cabeça. Eu penso que é difícil, aliás, impraticável, amizades entre homens e mulheres sempre resvalará para este viés – uma hora, o cara acorda e se vê envolvido pela mulher, pelo inferninho psicológico. Para os desavisados românticos, inferiorizados, a sombra do dilema “ela gosta ou não gosta de mim?”.

Agora, eu não mais a verei. É melhor assim. Ela seguirá a vida dela, e terá levado pensamentos válidos e positivos para a sua vida, não me arrependo dos conselhos. Contava, insistia em minha história – meu pai com câncer, o desemprego que veio em seguida, eu à deriva no mundo, os anos se passando, amigos meus prosperando e casando, e eu metido em cursinhos sem conseguir arrumar a minha própria vida. Acho que a minha história causou um certo assombro, e a moveu a decidir estudar e suceder bem na vida (ela realmente passou de uma baladeira de festa à aluna estudiosa, nestes dois anos). Foi como um vislumbre, para Renata, a patricinha até então acostumada a boa vida, uma amostra de como o mundo pode ser cruel e imparcial.

Só espero não mais a ver. Vejam, dentro de mim existe uma carência muito grande, causada pela morte de meu pai. Há um colega de fórum, acho que é o sorine, ele mencionou isso, eu acho... De que quando você passa por provações muito grandes, na vida, você sai com uma compaixão exagerada. Qualquer pessoa que te coloque a mão no ombro e diga que se importa já é motivo para você se emocionar e chorar. A pessoa se torna muito vulnerável. Você fica com a vontade de salvar o mundo, mas percebe que não está salvando a si, e vai se afogando em um oceano de autopiedade. Claro que, hoje, enxergo o mundo sob uma ótica diferente, mas parte de minha questão com Renata é oriunda deste meu passado recente mal resolvido.

Hoje, claro, tenho novos planos. Gostaria de ser o protagonista de minha própria vida, o que significa que hoje frequento restaurantes que me agradam, compro coisas para mim, faço o que gosto. Estou aberto a novos relacionamentos, mas nas linhas de um verdadeiro relacionamento, não mais como um sujeito fragilizado, mas sim como um Homem, um Homem de 32 anos, maduro, com um projeto de vida. A cada dia, luto pelo desapego e o desapaixonamento, e simultaneamente, sinto o implemento em minha autoestima. Eu estou certo de que entrar neste fórum foi a melhor coisa que me aconteceu, e mudou radicalmente o rum de minha vida. O caso que eu narrei, sobre não ter comparecido ao almoço com Renata, pode lhes parecer simplório, mas aos olhos mais observadores, uma prova de mudança.

Amigos, gostaria de lhes perguntar – se na semana que vem, Renata aparecer por ali na repartição, sentar-se e levantar a questão de que eu não compareci, o que me recomendariam?Eu devo ser honesto e lhe contar sobre o que me aborreceu?
But aprenda uma coisa, pessoas nunca substituira as perdas, para este vazio não a outro caminho a não ser Deus., segundo nunca nunca deixe os seus sentimentos sejam maus ou bons externamente para que as pessoas vejam e usem issso contra voce, mulheres são expertes em detectar qualquer indicio de carencia no homem e usar aquilo em beneficio propio, quanto ter que dar satisfação a tal renata, não faça isso , porque la detectara rapidamente, o seu nivel de querer explicar ou dar explicações, então ela notara que o jogo dela deu certo , ela pensara POXA DEU CERTO , APENAS DEIXEI ELE COM AGUA NA BOCA, E JA TA CORRENDO ATRAS QUERENDO ME DAR EXPLICAÇÕES, ja viu aquele ditado QUEM AMA CUIDA, se voce nao cuida , voce não ama, trasmita essa mensagem a ela, outra coisa pelo amor de deus tire essa ideia da sua cabeça, que MULHER PODE SUBSTITUIR QUALQUER ENTE QUERIDO, AMIGO, CACHORRO OU OUTROS, isso e entregar a cabeça na bandeja, reforçe mais suas leituras com NA ,sobre mulher pense IGUAL TAXISTA.
PROXIMO !!! PROXIMO!!!
Descarte logo essa renata, se neste tempo todo , ela não fez anal giratorio com voce, sera que agora que ela fara ?
Mulher e igual seringa de banco de sangue!! USAR E DESCARTAR NO LIXO.
C ja ta com 32 anos , ta na hora de aproveitar os frutos da vida.




Fúria

Burt foi muito bom você ter abrido esse tópico pra contar esse acontecimento, dessa forma você conseguirá enxergar os seus erros e corrigi-los conforme o tempo for passando e você ir evoluindo dentro da Real!

Perceba que você agiu de maneira não racional faltando no serviço, você foi movido pelo instinto, a real sempre nos diz que devemos estar atentos e sempre primar pela racionalidade das coisas, pensar bem antes de agir, analisar os prós e os contras e ai sim tomar o melhor caminho de determinada situação! Na próxima vez que sentir esse impulso de "se vingar", pare, respire, analise toda a situação e quais os benefícios que você vai ter tomando tal atitude, faça isso sempre e verá como vai se sentir bem mais vitorioso!

Burt, comigo esses dias aconteceu algo parecido. Eu postei um tópico "pequena ajuda" dizendo que uma mulher tinha me chamado pra sair e tal. No dia ela me liga dizendo estar doente e que não poderia sair de casa. Ótimo. Respeitei e tudo. A noite resolvi dar uma volta e quando voltava pra casa, ali pelas, 22:00hs resolvi comprar comida japonesa para levar pra casa. Quando chego no recinto, adivinha quem estava lá? A própria mulher, numa mesa só com mulheres. Ela quando me viu ficou sem graça, mas numa rapidez de raciocínio, eu sorri pra ela agradavelmente e acenei pra ela. Quando estava saindo com a comida na bandeja pra ir embora, ela veio atrás de mim querendo se desculpar dizendo que ela tava sim meio doente e que as amigas delas é que fizeram ela vir e tal. Eu disse simplesmente seco: "OK!" Ela disse, vc não ficou chateado né? Eu disse mais uma vez: "Não! OK!" E fui embora. Pensei comigo: "Que se foda, não vou ligo mais, nem vou correr atrás! Não perdi nada" .
Agora, tem uns 3 dias que ela ta me chamando direto pra conversar no chat do face. Eu fico na minha, fico só distante...mesmo por que não sei exatamente que tipo de mulher ela é. E tbm pq ainda estou tentando por em prática algumas coisas que venho aprendendo com a Real.
E acho tbm que o importante não é só ler, mas colocar em prática nossos ensinamentos.
Por mais que digam que sua atitude não foi a certa, acho que pelo menos vc tentou e agiu, e só através da tentativa/erro, tentativa/erro, tentativa/acerto é que conseguiremos ultrapassar os obstáculos rumo ao amadurecimento e a evolução como homens honrados.
Como meu pai sempre diz: "Não se percorre uma grande distância, sem o primeiro passo, seja com o pé direito ou esquerdo!"
Sim, sorine, com certeza. Você está de parabéns pela sua atitude, eu acho que todos nós temos de concordar nisso. Foi sucinto, direto e certamente a desmascarou. Você foi mais frio, mais racional. Eu vejo que um cara mais inexperiente teria balançado, cedido, talvez aceitado as desculpas esfarrapadas, mas você meteu a Real. E o fato de ela ter ido atrás de você, quando estava de saída do estabelecimento, para se explicar, mostra que ela sabe com quem está lidando e quer te segurar, te dominar. Você é intrigante aos olhos da garota, pois mostra o desapaixonamento. Eu acho que no meu caso, eu acertei um tanto, errei outro. Naquela sexta-feira em questão, em que faltei ao trabalho, eu aproveitei para resolver questões na Caixa Econômica, então o dia livre me serviu muito bem. Ademais, eu amo o meu trabalho e sei que o Homem honrado respeita e se dedica ao trabalho, mas ocorre que, de certa forma, a galera lá tava igualmente precisando de um recado, e este recado é a minha ausência. Eu me desdobro para cuidar do suporte para o time jurídico. Os demais chegam atrasados, fazem pouco caso, jamais se interessaram em aprender o SICAU. Eles precisavam também sentir a minha ausência. Amanhã é segunda-feira, então estarei de volta ao trabalho, como sempre chegarei muito cedo e serei o último a deixar, como um trabalhador honrado deve fazer, e a vida segue.
Eu acho muito possível que ela volte a me procurar para me perguntar sobre o que aconteceu. Veja, o que me inferniza em tudo isso é que houve um tempo em que realmente apreciei esta menina pois ela me fazia lembrar uma prima, e eu realmente queria o bem dela, e mais nada em troca. Ocorre que mulheres são sedutoras, e naquela época eu era um matrixiano em vias de despertar, e ela foi me seduzindo com conversas de que (juro por Deus) "Você é a melhor pessoa do mundo", "a melhor pessoa que eu conheci", etc e tal. Simultaneamente, falava sobre o namorado que mora no interior, e eu não sabia qual era dessa menina. Para mim, ela forçou essa parada, queria dominar os meus sentimentos, usá-los contra mim. Entenda bem - eu hoje sou um Homem da Real, eu respeito os companheiros da Real, eu amo meu trabalho honrado, eu acredito na família, nos velhos moldes, o Homem com sua autoridade, criando cidadãos honestos e trabalhadores, passando a frente a carga genética. Eu não sou mais nenhum babaca romântico, mas toda essa manipulação dessa menina - os jogos, essa dualidade de melhores amigos - irmãos, ela sempre rondando, procurando por mim, e ao mesmo tempo a situação entre a gente indefinida, o próprio fato de ela usar a minha vida, a morte dolorosa de meu pai e a compaixão pelos outros que veio após a morte de meu pai para me subjugar- ela apanha tudo isso e usa contra mim. Seria mais simples se ela simplesmente fosse cuidar de sua própria vida. Juro por Deus que quero deixar essa nossa história morrer assim - quero reservar para ela o sentimento altruísta, a honesta felicidade em vê-la bem, casando com o namorado dela, prosperando como advogada, e apenas isso, sem cobranças, sem expectativas, sem joguinhos, ciumeiras e manipulações, sem apaixonamento, o mesmo sentimento de um irmão para a sua irmã. Por outro lado, o fato de ela NÃO SER minha irmã ou prima, e o fato de ela jogar com a minha mente e apelar para esse coração fragilizado, vulnerabilizado após a morte de um familiar por câncer,me arremessa em um canto sombrio e confuso, do qual estou tentando sair. Este lugar sombrio é a necessidade de se sentir amado por uma mulher, e todos, TODOS NÓS sabemos que isso é uma estupidez, a pedra angular do maginismo. E eu te digo que eu vou sair dessa. Eu não sou o cara de antes, eu sou Homem da Real, ou ao menos morrerei tentando, mas Deus me livre de seguir a vida com os olhos vendados, como um mangina submetido, fraco e apaixonado.
Páginas: 1 2