Fórum do Búfalo

Versão Completa: Os Princípios Que Regem a Interação Social
Esta é uma versão reduzida do nosso conteúdo. Ver versão completa com o formato adequado.
Páginas: 1 2 3 4 5 6 7
Spirit,

Estou relendo o livro. Da primeira vez que li, não consegui internalizar o conteúdo. Vou tentar novamente.
De cara, já te faço uma pergunta: o livro não acaba contradizendo o "perfil masculino ideal" do NA, quando diz que devemos sorrir bastante e sermos bastante simpáticos?

Um grande abraço e obrigado pelo material.

Spirit,

Se você puder me responder, achei mais uma diferença entre o livro e os livros do NA:
- Me parece que o livro da M.A. sugere que se use a autoridade desde o começo da relação.
- O NA sugere que você deixe a mulher livre para fazer o que ela quiser, porque assim você vai saber como ela realmente é, sem tentar se moldar ao que você quer. Ele sugere que devolva os joguinhos infernais, mas sem tirar o livre-arbítrio da parceira.

Spirit,

Mais uma pergunta:

Eu fiquei na dúvida sobre os conceitos de ordem posicional e ordem disposicional.
Você poderia dar alguns exemplos, por favor?

Obrigado
Livro simplesmente maravilhoso! Consegui lê-lo em três dias, pois o achei realmente muito bom e de muita ajuda.

Irei indica-lo a alguns amigos de maneira discreta...

Muito obrigado, Spirit.

[Imagem: dimitri-gif.gif]
Tenho as mesmas dúvidas do heavyMetal, fora que algumas coisas me deixaram confuso em relação o Livro com N.A.
Um dos livros mais fodas que eu já li.

Faz exatamente o que promete. Limpa toda a porcaria que anos de marxismo e relativismo social fizeram com a sua mente.
Aos confrades que absorveram a obra:

Na página 126, o livro diz que se você não demonstrar amor pelas pessoas, a sua autoridade será inútil para elas.
Mas, se demonstrarmos que amamos uma mulher, não é game over, ela satisfaz o desejo de continuidade e esfria a relação ou nos abandona, nos vendo como um beta domado?

Abraços,
(14-08-2013, 12:27 PM)Heavy Metal Escreveu: [ -> ]Aos confrades que absorveram a obra:

Na página 126, o livro diz que se você não demonstrar amor pelas pessoas, a sua autoridade será inútil para elas.
Mas, se demonstrarmos que amamos uma mulher, não é game over, ela satisfaz o desejo de continuidade e esfria a relação ou nos abandona, nos vendo como um beta domado?

Abraços,

Eu demonstro amor quando não deixo ela se vestir como puta, demonstro amor quando cobro atitudes honradas, demonstro amor quando como ela de 4 virilmente, demonstro amor quando ofereço segurança na vida dela, etc.

Demonstrar amor não é fazer declaração romântica no facebook, ou dar presentinhos ou ficar falando "eu te amo" deitados na cama.

Amor =/= romantismo.
Ótima resposta, Free Bird.
Eu estava achando que o livro falava do amor dito "romântico".

Obrigado,

Você consegue me ajudar nas minhas outras questões, que estão logo acima?
Baixando para conferir. Muito obrigado!!!
Quando versa sobre "ordem", o livro espanca. Trazer esse conceito p sua vida é mto interessante. De resto, é repetitivo, chato, lugar-comum e não agrega muita coisa. Parece "the secret" (outra bosta), quando começa a induzir que a ordem aplicada ao seu redor conduzirá a ordem nas demais esferas da vida. Organização é instrumento, é meio e não fim. Olha no índice e pula p o capítulo mencionado, pois o resto não vale a pena. Li ontem.

NA é mto superior, em todos os sentidos (até no estilo).

Quer ler algo que muda sua vida, a forma como entende relacionamentos, família e sociedade? Leia a metamorfose, de KAFKA (foi uma porrada real) e entenda o que significa valor aparente e social. O mundo tá se fodendo p a hombridade que lhe habita internamente.

Shopenhauer versa bem sobre mulheres. Leia.

O sofrimento do jovem Wherther, de Goethe, tbm é bem contextualizado ao tema tratado no fórum. Recomendo.

Livro: vc tem um carro. O escapamento quebra e fica pendurado, arrastando no chão. Você compra uma fita, amarra e continua dirigindo. Quebra novamente, mesmo ciclo. Até que resolve trocar.

NA: vc tem um carro. O escapamento quebra e fica pendurado. Você não conserta. Ao invés de amarrar a porra da fita, você começa a ver a merda de carro q vc tem e se permite dirigir mais um pouco, p v até onde ele vai. V que tem problema no motor, que tá todo enferrujado, que o carro tá empenado...ou seja, soltar o escapamento não era a causa, era o sintoma do estado do carro. Enquanto vc passar A PORRA DA FITA, VAI FICAR RODANDO COM UM CARRO FUDIDO, ACHANDO QUE TÁ SEGURO, sendo que, cedo ou tarde, ele vai lhe deixar na mão. Combater efeito é construir ilusão, a solução é enxergar a causa. E TROCAR DE CARRO.

Falei sobre isso hj.
Já li A Metamorfose e achei uma total perda de tempo, pra mim não agregou nada.
imprimindo [2]
Estou lendo ainda, ja li dois terços, ate agora excelente, prefiro terminar para poder opinar ou formular alguma pergunta.
O livro é muito bom. Acho que é um dos pilares da Real, junto com NA e Esther Vilar (apesar de datado). Ocorre que, conforme alguns confrades relataram, é mais difícil de ser internalizado e até de ser compreendido. Mas, se lido com calma e mente aberta, traz muitas respostas. Só não é recomendado àqueles que ainda estão na fase da revolta ou aderiram ao Relationship Strike.
Não esqueçam:

a) os autores do livro (americanos) não tiveram acesso prévio aos conceitos da obra de NA, como o "lado obscuro", "guerra da paixão", etc.
Por isso, eles tiveram que criar fundamentos teóricos novos baseados nas experiências deles, que vivem numa dinâmica social completamente diferente da nossa.

b) Justamente por causa desta diferença social entre nós e eles, o foco e o desenvolvimento dos "Princípios" e das obras de NA (e de outros escritores da Real) é totalmente diferente no modo de conduzir o texto, nos exemplos e nas conclusões tiradas das mesmas premissas.
Tais diferenças sociais e o impacto disso nas relações homem-mulher já foi discutido várias vezes neste fórum, é só pesquisar.

c) "Os Princípios", assim como QUALQUER outro livro, deve ser lido criticamente pra se extrair dele o máximo de informação útil que irá agregar o nosso rol de conhecimentos. Desmerecê-lo, aos autores ou ao tradutor não ajuda em NADA. O esforço de tradução e adaptação do confrade Spirit é digno de aplausos!
(22-08-2013, 03:48 AM)Werther Escreveu: [ -> ]Quando versa sobre "ordem", o livro espanca. Trazer esse conceito p sua vida é mto interessante. De resto, é repetitivo, chato, lugar-comum e não agrega muita coisa. Parece "the secret" (outra bosta), quando começa a induzir que a ordem aplicada ao seu redor conduzirá a ordem nas demais esferas da vida. Organização é instrumento, é meio e não fim. Olha no índice e pula p o capítulo mencionado, pois o resto não vale a pena. Li ontem.

NA é mto superior, em todos os sentidos (até no estilo).
[...]

Boa crítica, realmente às vezes ele lembra de longe aqueles livrinhos de autoajuda pois falta densidade no assunto. Mas acho que a proposta é essa mesmo, para tornar ele mais fácil de lido e acessível.

Agora posso arriscar dizer que Ordem pode ser tanto um fim como um meio, a depender da pessoa. Não como objetivo de vida, mas como estilo eu diria. Já tendi pra esse lado por causa do meu perfeccionismo em algumas coisas, mas abandonei tal característica com o tempo. Era meu hobbie enquanto era desocupado.

Agora que acho que não tem como comparar esse livro (pura psicologia e autoprogramação) com Nessahan Alita e sua abordagem filosófica espiritualista do amor dissidente (puxa, falei o nome completo!). São duas ferramentas diferentes, para utilidades e ocasiões diferentes.

Digo isso levando em conta a analogia da fita que você citou logo depois. É preciso tanto saber analisar o carro quanto usar a fita --nessa ordem.

De resto também tinha um review crítico a respeito do livro, que não sei onde foi parar.
Lendo.
Grato!
Estou lendo e realmente, o livro é muito bom, tem alguns trechos que são tapa na cara e um soco no estomago, me identifiquei totalemte com alguns pontos, e já mudei a minha forma de pensar. Já em alguns trechos, fica chato e repetitivo.
Já comecei a ler
Eu ja terminnei de ler e achei o livro muito bom.
Páginas: 1 2 3 4 5 6 7