Fórum do Búfalo

Versão Completa: SINDROME DE SUPER HERÓI VOCÊS TEM ?
Esta é uma versão reduzida do nosso conteúdo. Ver versão completa com o formato adequado.
Páginas: 1 2 3 4 5
SÍNDROME DE SUPER HERÓI

A uns seis meses atras, voltando do meu Futebol, eis que paro em um semáforo, e do lado direito da rua avisto uma garota (Nota 8) e uma mulher de mais idade (Certamente a mãe ou tia, sei lá!), acenando pros carros pararem !

Dei seta e encostei do lado esquerdo e logo percebi que o carro delas, estava saindo fumaça do capô, e embaixo do carro percebi que na parte de frente, embaixo do radiador delas estava “pingando fogo” e estranhamente, Quase por ímpeto, sai correndo pra poder ajudá-las facepalm: mas nem foi preciso, nessa hora já foram parando outros carros e prontamente desceram alguns “super herÓis” destravando o capô dela, pegando o extintor e dando conta do recado … Então segui o meu caminho a diante, e não terminei de ver o desfecho da história, foi então que perguntas vieram a minha cabeça !

a) Será que quem desceu e destravou o capo do carro e tocou o extintor, o fez unicamente por uma questão Cristã (Se fosse um mangina em perigo?) ou fez por esperar alguma coisa em troca, qual seja, telefone, gratidão, buceta …

b) O cara que se arriscou a abrir o capô e deixar a cara feia dele, mais feia ainda, com um radiador estourado na cara, querendo bancar o herói, está “trepado” em uma das duas nesse exato momento que estou escrevendo, por gratidão, ou mesmo por ter agido como um homem honrado e protetor (Que é o que sempre dizem buscarem!) ?

c) Sera que essas duas garotas fazem parte dos 0,05% na minha opinião, das mulheres honradas, que realmente são “indefesas” a “moda antiga” e dependentes da proteção e cuidados de um homem?

d) Será que essa garota, bonita por sinal, certamente não é uma dessas modernetes que asteiam a bandeira de independentes e que não precisam de homens para nada e são autossuficientes, e que certamente não daria um minute de atenção a qualquer um daqueles caras em uma situação fora desse contexto ?


Bom quanto as questões de cima, eu tenho a minha resposta pessoal: Estou me policiando mais, porque cheguei a conclusão de que não deveria, e ainda bem que não fiz! Pra mim pouco importa se o carro dela tem seguro ou não ! Mas ele iria arder em chamas. Pois arriscar a minha cara feia a ficar mais feia também, por uma CULTURA IDIOTA de que homem tem que ser o super herói delas (Fora de um contexto Cris~tao), nessa sociedade hipócrita e feminazi... Não é mais comigo!
Eu quero desenraizar de mim, essa cultura de querer proteger todas as mulheres modernetes “indefesas” arriscando inclusive a minha integridade física como se isso é um dever, e o que deve ser feito por um homem em uma ocasião dessas ! Pois senão eu seria um covarde ! Tô fora!

Isso claro, sem falar em uma Politica Cristã !

Abraço a todos guerreiros e queria a opinião de um de vocês se contraria até, pois seria muito bem vinda! Abraços
Isso foi discutido no fórum a um tempão atrás: a questão dos favores.
Lembro que minha conclusão na época foi de que eu só faço favor pra uma mulher se eu fizesse exatamente igual para um homem, ambos desconhecidos, claro.

Hoje em dia eu polarizei, infelizmente. Não ajudo mulher em nada, a menos que ajudar ela me beneficie de alguma forma (não sexual). Porém, tenho olhado para os homens como irmãos, ai ajudo sempre que posso.
Um exemplo bem bestinha é que quando estou sentando no ônibus, eu nunca me ofereço pra segurar bolsa/mochila/etc de mulher de jeito nenhum (exceto idosas), já para os irmãos-homens eu sempre penso "o cara deve morrer de trabalhar e estudar e ainda é sugado por alguma vadia pelo jeito". Dai desperta a camaradagem masculina e eu tento ajudar o cara oferecendo pra segurar o que ele tiver carregando.

Ainda não considero 100% errado tal atitude, por isso não mudei, mas ainda estou refletindo sobre essa polarização.
(20-02-2013, 01:08 PM)Free Bird Escreveu: [ -> ]Isso foi discutido no fórum a um tempão atrás: a questão dos favores.
Lembro que minha conclusão na época foi de que eu só faço favor pra uma mulher se eu fizesse exatamente igual para um homem, ambos desconhecidos, claro.

Hoje em dia eu polarizei, infelizmente. Não ajudo mulher em nada, a menos que ajudar ela me beneficie de alguma forma (não sexual). Porém, tenho olhado para os homens como irmãos, ai ajudo sempre que posso.
Um exemplo bem bestinha é que quando estou sentando no ônibus, eu nunca me ofereço pra segurar bolsa/mochila/etc de mulher de jeito nenhum (exceto idosas), já para os irmãos-homens eu sempre penso "o cara deve morrer de trabalhar e estudar e ainda é sugado por alguma vadia pelo jeito". Dai desperta a camaradagem masculina e eu tento ajudar o cara oferecendo pra segurar o que ele tiver carregando.

Ainda não considero 100% errado tal atitude, por isso não mudei, mas ainda estou refletindo sobre essa polarização.

Eu tbm tenho estado mais vigilante comigo mesmo e tenho procurado ajudar mais homens. Como o Free Bird disse, tenho procurador ver os homens como irmãos mesmo e sem essa de fazer favores gratuitos a mulheres.

Com relação ao caso em tela confrade Tank, sugiro que pesquise no Fórum, um comentário do Mestre Pragakham sobre uma vez que ele viu uma mulher com um pneu do carro furado. Ele descrevendo a situação e o comportamento dele são antológicos.

E outra, todas as mulheres são dependentes de homens e fim de papo. Mimimimi delas....por mais que esperneiem...os fatos estão aí.

Destro

Citar:Hoje em dia eu polarizei, infelizmente. Não ajudo mulher em nada

Eu só ajudo a mulher se ele me ajudar ( não estou falando de sexo ) mas
só faço favores se ela me fazer outro .Ajuda mútua ,não cavalheirismo Branco .
A resposta para a sua pergunta está aqui:

E eu concordo com o confrade acima, não ajudo mulher.
O feminazismo não vive pregando que todas são independentes, poderosas, superiores, cheias de si e que não precisam do homem para nada?
Pois então, elas que apodreçam com o pneu furado no deserto ou, façam um curso de mecânica. Aéééé... esqueci! O feminazismo não se importa com cargos de pedreiro, mecânico, mineiro e carregador de batatas: A equiparação do feminazismo só vem, quando convém.
Bom, eu ajudaria apenas caso pudesse, porém ajudaria independentemente de quem necessitasse. Poderia ser a mulher mais linda do mundo, ou um gordão suado, que eu ajudaria da mesma forma se pudesse, e não esperaria nada em troca.

Sujeito que faz isso em troca de buceta é mangina, tá na cara.

Porém, depois de ajudar a pessoa, mandaria ela ir aprender como se livrar de uma dessas sozinha, para que não dependesse dos outros numa hora dessas.
(20-02-2013, 02:01 PM)Mr. T Escreveu: [ -> ]A resposta para a sua pergunta está aqui:

E eu concordo com o confrade acima, não ajudo mulher.
O feminazismo não vive pregando que todas são independentes, poderosas, superiores, cheias de si e que não precisam do homem para nada?
Pois então, elas que apodreçam com o pneu furado no deserto ou, façam um curso de mecânica. Aéééé... esqueci! O feminazismo não se importa com cargos de pedreiro, mecânico, mineiro e carregador de batatas: A equiparação do feminazismo só vem, quando convém.

Depende cara, é uma questão complicada, nem sempre da pra saber se a mulher quer te explorar ou se ela realmente esta com problemas, eu não vejo mal em ajudar, semana passada mesmo ajudei um sujeito na rua, a bateria dele arriou ae eu empurrei o carro para um morro proximo para que ele arrancasse no tranco.
Mas se eu tiver ocupado ou indo para algum lugar com uma certa pressa ae eu explico pro cara que to atrasado e vou embora.
(20-02-2013, 01:08 PM)Free Bird Escreveu: [ -> ]Isso foi discutido no fórum a um tempão atrás: a questão dos favores.
Lembro que minha conclusão na época foi de que eu só faço favor pra uma mulher se eu fizesse exatamente igual para um homem, ambos desconhecidos, claro.

Hoje em dia eu polarizei, infelizmente. Não ajudo mulher em nada, a menos que ajudar ela me beneficie de alguma forma (não sexual). Porém, tenho olhado para os homens como irmãos, ai ajudo sempre que posso.
Um exemplo bem bestinha é que quando estou sentando no ônibus, eu nunca me ofereço pra segurar bolsa/mochila/etc de mulher de jeito nenhum (exceto idosas), já para os irmãos-homens eu sempre penso "o cara deve morrer de trabalhar e estudar e ainda é sugado por alguma vadia pelo jeito". Dai desperta a camaradagem masculina e eu tento ajudar o cara oferecendo pra segurar o que ele tiver carregando.

Ainda não considero 100% errado tal atitude, por isso não mudei, mas ainda estou refletindo sobre essa polarização.

Esse caso específico é mais complicado.

Quando vejo uma situação assim, me pergunto: "eu ajudaria se fosse um homem?"

No caso específico minha resposta seria: SIM.

Explico: a perda que adviria da falta de ajuda de qualquer pessoa, seria muito alta. Não é troca de favores; é evitar que um bem de alto valor fosse totalmente perdido, não um favor que faria às mulheres só "por serem mulheres".

Eu não abriria o capô, mas daria um jeito de usar o extintor por baixo da lataria, pra apagar o fogo. Aí diria pras madames ligarem pro seguro delas ou pra algum parente vir resgatá-las.

É a mesma coisa que faço em relação a mulheres (ou homens) de mais idade no metrô, acompanhados ou não de crianças: eu ofereço meu lugar, pq sei que crianças são imprevisíveis (e pq tomar conta de criança de pé é um saco) e tb pq sei que a idade, realmente, desgasta os ossos e faz com que vc se canse mais rapidamente.

Mas não faria o mesmo pra uma mulher "na flor da idade". Da mesma forma q não cederia minha vaga no metrô pra um cara qualquer.

Uma definição de cavalheirismo que chegaram lá no Dalrock (ver artigo aqui) é essa: a deferência do mais forte em relação ao mais fraco.

Se as mulheres se julgam "fortes, seguras, donas de si", pq irei ceder meu lugar a elas? Se querem o direito, que aguentem os deveres também.

Mas seria coisa de perguntar pras madames depois: seu carro não tem extintor? vc não sabe usar? Se vc sabe dirigir carro, como não sabe usar extintor pra proteger seu carro?

Ia ser interessante ver a cara de tacho delas.
não sabe usar extintor, não sabe trocar pneu(para isso tem o pneu quer roda murcho "runflat"),não sabe dar seta então não compre carro.
Quando eu vejo uma mulher que sabe onde fica o pneu reserva do carro eu já fico maravilhado.
Uma das minhas máximas é: "Se você quer rir, tem que fazer rir primeiro."

Mulher quer ajuda? Pode me "fazer rir" aí rs
Bem nesse caso específico do carro pegando fogo eu ajudaria ligando p/ o Corpo de Bombeiros do meu celular, como já fiz em uma rodovia com um caminhoneiro que teve seu caminhão em chamas. Pra me policiar a pergunta que eu sempre faço é: Eu faria isso por um homem? Se a resposta for positiva, eu ajudo.
Esther Villar - Homem Domado

Primeiro capítulo (ou introdução, não me lembro bem).
É mais ou menos o mesmo caso...só que é um homem que fica com a mão e roupa toda suja de graxa e lama, pra trocar o pneu da donzela.

Minha resposta: não seja super-heroi
Eu não ajudaria nem homem nem mulher em um caso assim, a menos que conhecesse. Pode ser cilada uma parada dessa aê. Mas considerando somente a questão favores para mulher vs favores para homem, eu adoto a política de só fazer algo por uma mulher se for algo que eu faria por um homem também.
Eu já fiz tudo por mulher. E nunca ganhei nada em troca. Hoje em dia faço o mínimo do mínimo do mínimo, e quando realmente é necessário intervir. E olha que engraçado, o retorno é 1000% maior que antes.

Aos super-heróis de plantão: você nunca terá a gratidão de uma mulher, então o que você faz por ela hoje, não contará nada amanhã. Se essa mulher for sua namorada/noiva/esposa, você pode dar a vida por ela, mas numa crise ela não pensará duas vezes em te deixar caso naquele contexto isso seja mais vantajoso pra ela.
(20-02-2013, 06:41 PM)Mr. Black Escreveu: [ -> ]Eu já fiz tudo por mulher. E nunca ganhei nada em troca. Hoje em dia faço o mínimo do mínimo do mínimo, e quando realmente é necessário intervir. E olha que engraçado, o retorno é 1000% maior que antes.

Aos super-heróis de plantão: você nunca terá a gratidão de uma mulher, então o que você faz por ela hoje, não contará nada amanhã. Se essa mulher for sua namorada/noiva/esposa, você pode dar a vida por ela, mas numa crise ela não pensará duas vezes em te deixar caso naquele contexto isso seja mais vantajoso pra ela.



Nem sempre é assim cara. Eu conheço casos em que as mulheres aguentaram duras dificuldades financeiras ao lado dos seus maridos e não os largaram e nem consta que os tenham traído. Lógico, também conheço casos em que foi só aparecer um partido melhor para elas largarem o cara que tava fudido de grana. Apenas não dá para generalizar nesse caso.

Normalmente, o perfil da mulher que te larga quando você está em dificuldade é aquela mulher dondoca, que nunca deu duro na vida, que nunca passou por dificuldade, que é fútil e só pensa em se manter bonita, muito vaidosa, etc.
Gekko, eu conheço uma que traiu o marido no pior momento da vida dele. A mãe do cara teve derrame e vegetou por mais de um ano. Ele ficou muito abalado, sem rumo, sem chão. E o que a esposinha dele fez? Traiu ele com um quarentão cafa da pós-graduação, muitas e muitas vezes. E ainda ela quase fugiu de casa com o amante, só não o fez, porque a prima deu o seguinte conselho: 'de jeito nenhum, você não sabe qual é a dele, ele pode te bancar um tempo e depois te trocar por outra. Fique com o seu marido. Mas nunca conte a ele o que você fez'.

Só pra contextualizar. Esse cara foi o primeiro namorado dela, com quem ela perdeu a virgindade. Ela apanhava em casa do irmão, então ele foi o super-herói salvando ela dessa vida de maustratos, levando ela pra morar com ele. Deu a ela um lar e um filho, formaram uma família. Sempre tratou ela muito bem, apenas deixou ela em segundo plano na época dessa crise com a mãe dele.

Essa foi a gratidão que ela teve por ele. E esse é apenas um caso, conheço muitos outros. E vejo essa ingratidão feminina o tempo todo no dia-a-dia mesmo. A exceção que você apontou não invalida a regra, infelizmente.
(20-02-2013, 02:01 PM)Mr. T Escreveu: [ -> ]A resposta para a sua pergunta está aqui:

KKKKK Esses vídeos sempre passam no SBT e afins. Uma puta gostosa naquela situação e os caras nem desconfiam. Coisa que eu evito a todo custo é ajudar uma mulher boazuda assim. Geralmente são as mais arrogantes, fora que uma mina dessa pedindo ajuda forma uma fila de manginas p/ servi-las.
(20-02-2013, 07:07 PM)Mr. Black Escreveu: [ -> ]Gekko, eu conheço uma que traiu o marido no pior momento da vida dele. A mãe do cara teve derrame e vegetou por mais de um ano. Ele ficou muito abalado, sem rumo, sem chão. E o que a esposinha dele fez? Traiu ele com um quarentão cafa da pós-graduação, muitas e muitas vezes. E ainda ela quase fugiu de casa com o amante, só não o fez, porque a prima deu o seguinte conselho: 'de jeito nenhum, você não sabe qual é a dele, ele pode te bancar um tempo e depois te trocar por outra. Fique com o seu marido. Mas nunca conte a ele o que você fez'.

Só pra contextualizar. Esse cara foi o primeiro namorado dela, com quem ela perdeu a virgindade. Ela apanhava em casa do irmão, então ele foi o super-herói salvando ela dessa vida de maustratos, levando ela pra morar com ele. Deu a ela um lar e um filho, formaram uma família. Sempre tratou ela muito bem, apenas deixou ela em segundo plano na época dessa crise com a mãe dele.

Essa foi a gratidão que ela teve por ele. E esse é apenas um caso, conheço muitos outros. E vejo essa ingratidão feminina o tempo todo no dia-a-dia mesmo. A exceção que você apontou não invalida a regra, infelizmente.

Que história sombria, Black....
(20-02-2013, 07:07 PM)Mr. Black Escreveu: [ -> ]Gekko, eu conheço uma que traiu o marido no pior momento da vida dele. A mãe do cara teve derrame e vegetou por mais de um ano. Ele ficou muito abalado, sem rumo, sem chão. E o que a esposinha dele fez? Traiu ele com um quarentão cafa da pós-graduação, muitas e muitas vezes. E ainda ela quase fugiu de casa com o amante, só não o fez, porque a prima deu o seguinte conselho: 'de jeito nenhum, você não sabe qual é a dele, ele pode te bancar um tempo e depois te trocar por outra. Fique com o seu marido. Mas nunca conte a ele o que você fez'.

Só pra contextualizar. Esse cara foi o primeiro namorado dela, com quem ela perdeu a virgindade. Ela apanhava em casa do irmão, então ele foi o super-herói salvando ela dessa vida de maustratos, levando ela pra morar com ele. Deu a ela um lar e um filho, formaram uma família. Sempre tratou ela muito bem, apenas deixou ela em segundo plano na época dessa crise com a mãe dele.

Essa foi a gratidão que ela teve por ele. E esse é apenas um caso, conheço muitos outros. E vejo essa ingratidão feminina o tempo todo no dia-a-dia mesmo. A exceção que você apontou não invalida a regra, infelizmente.


Eu apenas disse que nem sempre é do jeito que você falou. Não disse que isso não ocorre. Sem contar que não temos dados estatísticos precisos que indiquem qual é a regra em uma situação assim. Eu conheço uns casos assim, você conhece uns casos assado não é lá o método mais científico de se analisar as coisas.
Páginas: 1 2 3 4 5