Fórum do Búfalo

Versão Completa: Pensão Alimentícia 20 anos após a separação? Claaaaro... que SIM
Esta é uma versão reduzida do nosso conteúdo. Ver versão completa com o formato adequado.
Páginas: 1 2
Pensão Alimentícia 20 anos após a separação? Claaaaro... que SIM


- do ROK

Kathleen Wyatt praticamente ganhou na Loteria. Sobrevivendo de subempregos e ajuda do Estado por décadas, de uma hora pra outra ela conseguiu um bilhete premiado: o seu ex-marido. Eles eram quase indigentes quando se casaram, mas anos após o divórcio o seu ex, Dale Vince, se tornou um milionário do setor de energia renovável. A Suprema Corte da Grã-Bretanha resolveu reverter uma decisão da Corte de Apelações e permitir que Wyatt lute por uma parte da fortuna do ex-marido. Ela exige do ex-marido a ‘pequena’ quantia de 1.9 milhões de libras.

[Imagem: casal01_zpshythimbe.jpg]
O casal. Chronos continua sendo um terrível fdp com as mulheres...

A história por trás desse caso, quando você a compara o passado com a exigência atual pela grana dele, não é nada menos do que assombrosa. Duas décadas atrás, quando o casamento já havia terminado, ficou estabelecido que Vince não possuía forma alguma de pagar uma pensão alimentícia, nem bens materiais para uma divisão.

O casal havia, na verdade, deixado de coabitar e se separado de fato anos antes do divórcio. Depois de deixá-la, Vince viajou por todo o país numa ambulância reformada para servir como casa por quase uma década, vivendo literalmente uma vida de hippie.

Vince criou a sua companhia de energia eólica (cujo valor atual é de 57 milhões de libras) em 1996, quatro anos depois do divórcio de direito e uma década após a separação de fato. E levou quase 20 anos de trabalho duro para a firma chegar à prosperidade atual, o que faz quase 30 anos após a separação do casal.

[Imagem: casal02_zpsljqo0ja8.jpg]
Calma garota! Se você esperar 20 anos, a vingança o retorno será bem melhor...

Loucura, loucura, loucura!

Muitos analistas do Direito estão subestimando o impacto da decisão de Kathleen Wyatt. Mas as implicações são claras: a lei poderá dar legitimidade à exigência de mulheres requererem ajuda financeira dos seus maridos anos após a separação, não importando se o marido tinha condições financeiras durante o tempo que passaram casados.

Imagine um casal, por volta dos 30 anos, que decide se separar. O cara é um médico recém-formado, trabalhando num hospital numa função subalterna. A ex-esposa ganha menos, seja como paramédica, professora, enfermeira, designer de interiores ou numa função administrativa.

Na época do divórcio não é feita uma divisão formal dos bens do casal. Talvez eles simplesmente estejam felizes de não terem mais de olhar um na cara do outro, ou ambos percebem que não existem posses suficientes para uma divisão legal. Ou talvez numa decisão mais razoável e feliz, a mulher aceite que o cara, devido à sua escolha de carreira, merece ficar com os bens que ele adquiriu.

Mas como essa mudança na Grã-Bretanha demonstra, a mulher pode mudar de ideia décadas depois. Ela poderá até mesmo evitar tomar essa decisão sobre a divisão dos bens do casal, para poder maximizar os ganhos anos depois.

Mas as coisas não podem ficar piores, certo? CERTO??

Os rendimentos do ex-marido, que já estão bem acima da média agora, podem ainda aumentar com o tempo. Depois de anos trabalhando como médico, juntando credenciais e experiência, ele pode se tornar um especialista ou até mesmo sócio de uma clínica.

Nosso hipotético médico pode ser agora cinquentão, estar no segundo casamento, com quatro filhos, e de repente a ex aparece do nada exigindo um pedaço do bolo. Nosso doutor bem-sucedido pode ter mais de um milhão no banco, uma casa valendo quatro milhões, e outros bens. E então ele é forçado a dividir tudo que ele conseguiu na vida com um relacionamento que não deu certo antes, mais as custas dos advogados.
Mesmo que eu simpatize com os problemas do sr. Vincent, claramente ele não será (financeiramente) devastado por essa “pensão” de 1.9 milhões de libras. Graças a Deus, um dos juízes da Suprema Corte descreveu a soma como “um valor absurdo”. O grande risco é para aqueles que estão na classe média ou superior, para o qual, por exemplo, 100 mil já representaria o risco de falência. A guerra legal que se seguiria para evitar essa pensão poderia facilmente dobrar as perdas financeiras do ex-marido.

Mas e se Dale Vince estivesse falido?

Ele poderia ter criado a tal companhia de energia eólica, visto seu capital crescer para 100 milhões, e em poucos anos a empresa abrir falência (como ocorreram com muitas empresas dot.com). Ele podia até acabar com uma dívida de milhões. Nesse caso, Vince poderia exigir suporte financeiro da sua ex-esposa, 20 anos após a separação?

Claro... QUE NÃO. yaoming

Uma história parecida seria a do bilionário Donald Trump. Sua primeira esposa deu uma geral na grana do marido nos anos 90, mas poderia ele fazer o mesmo com ela quando esteve perto da falência? No way, não, nem em um bilhão de anos.

A assimetria da justiça inglesa, tanto na sua discriminação contra os homens como na seletividade com que eles desenvolvem a doutrina (interpretação da lei muda a lei, especialmente nos países de língua inglesa), jamais permitiria que um cenário igualitário como esse aparecesse.

[Imagem: casal03_zpsvld6c59g.jpg]
Interpretação artística de um tribunal inglês da família



As mulheres continuam insistindo no almoço grátis feminazi

O sistema legal está cheio de exigências frívolas feitas por ex-esposas querendo rendas dos seus maridos. Já é ruim o suficiente que socialites ou mulheres que não trabalham já possam pegar uma boa parte da riqueza do marido na época do divórcio. A suprema indulgência dessa tal de Kathleen Wyatt muda os parâmetros das cortes de divórcio de delirantes para simplesmente halucinógenos.

Os homens têm sido tratados como cidadãos de terceira classe nos casos de divórcio por mais de uma Era. Homens já são forçados a pagar por crianças que não geraram - como já ocorre na França. E agora uma ex-esposa está ganhando o direito de sugar os bens do ex-marido décadas após terem se divorciado, de direito e de fato.

Logo saberemos através dos jornais britânicos se Kathleen Wyatt conseguiu ser bem-sucedida em sua exigência de parte da fortuna do ex-marido ou não. Seja qual for o resultado, ela não merece nada de nós a não ser o nosso total desprezo.
Pro homem conseguir uma fortuna, el tem que despender décadas trabalhando duro, já a mulher, é só abrir as pernas... E pior, já não basta as feminazi terem conseguido leis que violam a presunção de inocência, leis de "Paternidade sócio-afetiva", pra mulher poder casar com um provedor, trai-lo e mesmo que ele descubra e não queria ser um cuckold, seja obrigado a sustentar o EAA. Não basta as falsas acusações de estupro.

Qual será o próximo passo? Vou ser obrigado a pagar pensão para uma ex namorada que tive com 14 anos? Vou ter que pagar pensão a uma GP?
Se eu estivesse na pele deste homem, gastaria boa parte do meu dinheiro para fazer essa puta sofrer um acidente e vir a falecer. Isso é revoltante.
Países de língua inglesa são de uma misandria de deixar até a Jubarte com inveja.
O acesso a fonte não está funcionando. Gostaria de ler o artigo no inglês e ver as discussões por lá. É um caso que merece ser acompanhado "de perto".
No mais, dificil acreditar,..., embora não me surpreendo com mais nada. Digo que apenas é um "incrível" absurdo.
(14-03-2015, 05:10 PM)Deuxcartes Escreveu: [ -> ]O acesso a fonte não está funcionando. Gostaria de ler o artigo no inglês e ver as discussões por lá. É um caso que merece ser acompanhado "de perto".
No mais, dificil acreditar,..., embora não me surpreendo com mais nada. Digo que apenas é um "incrível" absurdo.

Ué, eu cliquei aqui e deu certo.

De qq forma, deixo a fonte aqui novamente: do jornal inglês Telegraph

E consertei o link da fonte no Return of Kings: ROK
(14-03-2015, 04:38 PM)Rudolf Escreveu: [ -> ]Se eu estivesse na pele deste homem, gastaria boa parte do meu dinheiro para fazer essa puta sofrer um acidente e vir a falecer. Isso é revoltante.

Ele não precisa, meu caro.

Primeiro: não conheço uma pessoa - nem ao menos UMA - que não tenha se metido a espertinha e se fodido no final. Mesmo que ela ganhe essa grana do cara, pode ter certeza q ela vai queimar a grana rapidinho e acabar na rua da amargura mais rápido do que você imagina. E ela agora é conhecida internacionalmente como uma goldigger. Você acha que algum homem vai querer chegar perto dela??

Segundo: como você pode ver pelo destaque que esse caso, e outros, como o das Porta Potties, sendo divulgado, vão atrair levas e levas de homens para o Masculinismo/Realismo.

Casos assim vão fazer com que, logo logo, somente o lixo do lixo masculino queira se relacionar com essas misândricas (que atualmente são 99% das mulheres anglófonas).

Pelo que tenho visto nos foruns gringos, cada vez mais esses caras só se relacionam com estrangeiras. E no país delas.

Quando não sobrar UM homem decente pra se relacionar com essas misândricas, o que elas vão fazer? Exigir cotas de homens pro Governo? trollface yaoming
(14-03-2015, 04:20 PM)Thanatos Escreveu: [ -> ]Qual será o próximo passo? Vou ser obrigado a pagar pensão para uma ex namorada que tive com 14 anos? Vou ter que pagar pensão a uma GP?

É uma bola de neve...

- Pensões extorsivas com o fim do casamento
- Diminuição do numero de casamentos formais(por parte dos homens)
- Criação de Leis como a da União Estável (favorecento mulheres)(forma de re-equilibrar a "balança")
- Homens evitando morar junto para fugir desse tipo de lei(apenas marmitando, namoro sem previsão de casamento)

Pra mim o próximo passo será a criação de alguma lei ou jurisprudencia que faça o homem pagar pensão pelo tempo de namoro.

Ex: Namoro de uns 5 ou 7 anos que chegou ao fim(casal sem filhos, ambos trabalham, moram em casas separadas, etc)(um não depende financeiramente do outro).
Ai a mulher entra na justiça e recebe uma "indenização" pelo "tempo perdido".
Ou então, se o cara acumular patrimonio nesse tempo pelo esforço de seu trabalho, tbm terá de pagar uma parte pelo "incentivo" de sua namorada durante o namoro.

Cenário apocalíptico eu sei, mas do jeito que as coisas estão caminhando eu não duvido de mais nada!
Basta algum juiz dar um veredito desse tipo e a midia relatar isso como justo e politicamente correto e já era!
(14-03-2015, 08:19 PM)Hiroshi Escreveu: [ -> ]Pra mim o próximo passo será a criação de alguma lei ou jurisprudencia que faça o homem pagar pensão pelo tempo de namoro.

Ex: Namoro de uns 5 ou 7 anos que chegou ao fim(casal sem filhos, ambos trabalham, moram em casas separadas, etc)(um não depende financeiramente do outro).
Ai a mulher entra na justiça e recebe uma "indenização" pelo "tempo perdido".
Ou então, se o cara acumular patrimonio nesse tempo pelo esforço de seu trabalho, tbm terá de pagar uma parte pelo "incentivo" de sua namorada durante o namoro.

Cenário apocalíptico eu sei, mas do jeito que as coisas estão caminhando eu não duvido de mais nada!
Basta algum juiz dar um veredito desse tipo e a midia relatar isso como justo e politicamente correto e já era!

Vamos ter que nos tornar experts nessas leis. Assim que surgirem, teremos que lê-las e encontrar os furos (sempre têm) para burlá-las.

Ex: após 5 anos de namoro você pode ser obrigado a dividir seus ganhos com a marmita? Termine com ela em até 4 anos e 364 dias! trollface

E assim os gêneros irão se separar cada vez mais um do outro... até a tecnologia japonesa criar CHOBITS funcionais.

Mostrar ConteúdoSpoiler:

E não pense "isso é impossível", o capitalismo funciona assim: se existe uma necessidade, será criado um produto; e, se ele for proibido banido, ele somente será MAIS CARO.
Isso é surreal !

Beira à loucura. Não dá pra acreditar num negócio desses.

Parece que os Ingleses não querem as Inglesas nem de graça....hahahaha

Mas percebi que há a 20 anos atrás, casamento com separação total de bens já era a regra. Imagine agora.
Isso é na Europa, o que me assusta é que o sistema legal encontrou uma brecha pra fazer tal absurdo ir adiante.
Kd os confradres que ficam idealizando as mulheres de fora?
(14-03-2015, 08:56 PM)Don Welzo Escreveu: [ -> ]Kd os confradres que ficam idealizando as mulheres de fora?

... existe isso?? :omg:
(14-03-2015, 09:07 PM)Rider Escreveu: [ -> ]
(14-03-2015, 08:56 PM)Don Welzo Escreveu: [ -> ]Kd os confradres que ficam idealizando as mulheres de fora?

... existe isso?? :omg:

Se existe?

É o que mais da na ala Beverly Hills da Real.
haha, estou com uma experiência com uma dessas "de fora", que resolveu gastar sua grana no huezil. Precisam ver o "anjinho".
(14-03-2015, 08:56 PM)Don Welzo Escreveu: [ -> ]Kd os confradres que ficam idealizando as mulheres de fora?

Não é nada que mandar ver em uma GP do brioco rosa (geralmente gaúcha ou catarinense) não cure.
kkkkkkkkkkkk cada termo que vocês inventam. Meta é achar uma indiana, nunca vi deste tipo. As branquelas tem aos montes.
(15-03-2015, 12:38 AM)Jaguar Paw Escreveu: [ -> ]
(14-03-2015, 08:56 PM)Don Welzo Escreveu: [ -> ]Kd os confradres que ficam idealizando as mulheres de fora?

Não é nada que mandar ver em uma GP do brioco rosa (geralmente gaúcha ou catarinense) não cure.

Comer, só por comer, não tem problema.

Agora tem uns caras na Real que ficam idealizando essas mulheres, principalmente as de fora, como se fossem melhores em tudo dos que as mulheres daqui.

Saiem de uma Matrix, para entrar em outra.

Inclusive, criaram até um termo (acho que foi o Barão) chamado de Mangenia (Eugenia + Manginismo)
cara que absurdo !!!!
Páginas: 1 2