Fórum do Búfalo

Versão Completa: [Relato] Uma Vida Sem Propósito - A História de Geraldo
Esta é uma versão reduzida do nosso conteúdo. Ver versão completa com o formato adequado.
Saudações confrades!

Fazia tempo que eu não tinha inspiração pra escrever. Se pensar bem eu até tinha inspiração em alguns momentos, mas os compromissos do dia a dia estavam me impedindo de separar um tempo e transformar os pensamentos em texto.

A reflexão que tive que gerou este texto surgiu a partir de uma pessoa próxima a mim, um tio, ao qual vou dar o nome de Geraldo, para proteger a privacidade do relato.

Já fazia um tempo que eu observo a vida de Geraldo, vou resumir aqui o pouco que conheço. Geraldo é o 2º filho de uma família de 10 irmãos. Seu pai era um comerciante do meio rural, que tinha uma boa condição financeira. Assim, na adolescência usufruiu dos bens de seu pai, no caso em especial, bons cavalos e um carro, o que lhe ajudou a se dar bem com as mulheres ainda muito jovem, portanto, um cafa típico, esta característica que o seguiria por toda a vida.

Ter os bens de seu pai a sua disposição também ajudou a revelar falhas de caráter, ao mesmo tempo que usufruía dos cavalos que seu pai possuía, este os maltratava, não dando a eles o devido cuidado que animais necessitam, os deixava com fome, com sede e até sem poder urinar. Além disso, também começou a desprezar outras pessoas mais humildes da região, chegando a maltratar mulheres de famílias mais pobres com as quais se envolvia, o que naquele tempo era comum resultar no pai da moça matando o cara que fizesse uma coisa dessas. Nessa época também engravidou uma mulher e jamais assumiu a criança. Seus maus comportamentos acabaram gerando uma briga pesada com seu pai, que não viu outra opção a não ser lhe expulsar de casa.

Assim Geraldo “sumiu no mundo”, sua mãe chegou a pensar que ele havia morrido, pois foram mais de 10 anos sem dar notícias. Havia ido para São Paulo, lá conseguiu se estabelecer por como pintor. Foi lá também que conheceu Marisa*, com a qual veio a ter 4 filhos. Em São Paulo Geraldo se tornou alcoólatra, inclusive sofreu um acidente de trabalho quando estava bêbado, que lhe fez perder parte de sua mobilidade. Ele parece não ter se importado com isso, pois passou a receber um benefício mensal desde então.

O tempo passou, a situação financeira da família (pais e irmãos de Geraldo) desandou. Seu pai morreu, assassinado por um homem que já tinha matado outras três pessoas e cometido um estupro, (fruto da impunidade que impera nesse país, já conhecida por todos nós). Sua mãe e seus irmãos foram para Belo Horizonte em busca de uma vida melhor. Uma época de dificuldade que Geraldo não presenciou.

Após anos sumido, ao saber que sua mãe havia conseguido conquistar a casa própria (trabalhando muito e contando com a ajuda de outros filhos, menos de Geraldo) e as coisas estavam começando a melhorar, Geraldo volta pra casa de sua mãe (sem pedir e nem avisar), simplesmente chega com uma mulher e quatro filhos pequenos para morar na casa, que naquele momento era de poucos cômodos, sem reboco e sem piso, tornando tudo mais difícil para todos.

Assim, seus filhos passaram dificuldades, mal tendo o que comer, contavam com a ajuda de parentes e vizinhos para dar alimentos, pois Geraldo era negligente com suas responsabilidades. Sabendo da situação, um empregador lhe emprestou uma casa para morar, assim foi por um tempo, mas o alcoolismo e a miséria por não colocar as coisas dentro de casa, fizeram com que Marisa fosse embora para sua terra natal, levando consigo seus quatro filhos ainda crianças.

Sozinho, não tinha mais a casa disponível para morar, voltou a morar com sua mãe enquanto levava a vida revezando entre dias alcoolizado e alguns dias trabalhando. Anos se passaram e Geraldo nunca comprou um carro, na verdade nem mesmo uma bicicleta, nunca tirou uma CNH, nunca estudou, não participou da criação dos filhos e ainda acabou brigando com um irmão, que mais tarde veio a falecer devido a complicações decorrentes desta briga.

Geraldo nunca teve problemas em conseguir mulheres, namorou várias, a maioria das vezes era ele quem terminava a relação. Mesmo assim, muitas dessas mulheres o aceitaria de volta.

Passados mais de 20 anos sem ter contato com os filhos, eles o procuram e o reencontram. Todos bem e com saúde, pessoas honestas, trabalhadoras, cada um já tendo sua casa, dois já tendo filhos. Nenhum deles guardou mágoas do abandono, todos dispostos a restabelecer os laços familiares. Porém, Geraldo desperdiçou mais uma oportunidade. Dois de seus filhos, que gastaram parte de suas férias e dinheiro viajando mais de mil quilômetros de distância, acabam por encontrar o pai bêbado, todo sujo e com a casa imunda (casa de uma ex namorada onde morava de favor), sem qualquer preparação para recebê-los, num completa demonstração de descaso.

Como se não fosse o bastante, seus filhos ainda lhe convidaram para visitar a cidade onde moram agora. Lá Geraldo descobriu que a mãe de quatro de seus filhos ainda o aceitaria de volta, caso largasse a bebida. Mais uma vez Geraldo vai, se embriaga, perde todo o tempo que poderia fazer uma reaproximação. Com isso dois de seus filhos decidem não procurá-lo mais, com razão. Na verdade teve sorte de não serem todos.

Recentemente Geraldo completou 65 anos, conseguiu um benefício do governo (LOAS) mesmo sem ter contribuído para o INSS tempo suficiente para sequer aposentar por idade. Também recentemente descobrimos que ele também recebia o seguro defeso, mesmo sem nunca na vida ter sido pescador, saiu porque agora o Bolsonaro está combatendo a fraude. Receber benefícios do governo virou uma forma de vida pra ele há muito tempo.

Após a “aposentadoria”, Geraldo só piorou, passou a beber mais, a saúde decaiu mais ainda, agora tem problemas em conter a urina. Voltou a morar com sua mãe, que agora tem quase 90 anos, ao invés de ser cuidada, tem que cuidar e aturar um filho que só dá trabalho. Os maus hábitos de higiene de Geraldo agora pioraram, chega a urinar e defecar no próprio quarto, dando ainda mais trabalho para sua mãe, ao mesmo tempo que não ajuda nada em casa.

Este é um resumo da vida de Geraldo, uma vida sem propósito, parasitou os pais, parentes, o sistema, fugiu as suas responsabilidades, desperdiçou inúmeras oportunidades na vida. Por todos os ângulos que se observa a sua vida, nada fez de relevante para tornar um mundo um lugar melhor.

Geraldo não crê em Deus, acha que a vida acaba aqui, não crê que em algum momento será responsabilizado por tudo o que fez e deixou de fazer, porém, nas vezes que precisou ser levado as pressas ao hospital, por efeitos da embriaguez, o medo da morte em seu rosto era notório.

A conclusão que faço é que nossa vida precisa ter um propósito íntegro, contribuir positivamente de alguma forma para este mundo e ter consciência de prestaremos contas a Deus por nossos atos, pelas responsabilidades que nos foram confiadas. Não fomos criados seres racionais a imagem e semelhança de Deus para simplesmente parasitar este mundo, muito pelo contrário, somos nós quem temos mais capacidade de torná-lo um lugar melhor.

Fé e Honra,
Senna.


*Nome fictício
Ótimo relato que mostra como é a vida de muitos homens no nosso Brasilzão.

Senna, você que conhece ele mais a fundo poderia nos dizer. Não é tirando a responsabilidade de Geraldo, mas você não acha que para o cabra chegar nesse estado, não houve uma negligência na educação por parte dos pais. Dando tudo do bom e do melhor para o filho sem ensiná-lo a lidar com isso. Provavelmente, quando mais novo ele dava indícios de uma personalidade negativa, e o que os pais fizeram para corrigir isso? Óbvio que se isso fosse o único problema, ele já teria se corrigido e estaria agora levando uma vida melhor, porém continua no mesmo buraco de sempre.
Conheço uns dois caboclos assim.
Um é viciado em cocaína, já tem 40 anos.
Infelizmente existe uma gama de doenças psiquiátricas que fazem com que as pessoas se tornem disfuncionais, e a pobreza e falta de oportunidade nunca permitem que tais pessoas sejam tratadas.
Relatos como esse demonstram o que sempre falo quando tenho oportunidade: Ser comedor (cafa) exige do cara uma disciplina absurda, e não é, nem de longe, uma vida barata, 90% dos caras cafa que eu conheço tem despesas com saídas a ponto de comprometer o orçamento, os casados não dão assistência aos seus lares e os solteiros mal mal tem um carro financiado.

Entretanto, nascer no berço de ouro e não aproveitar para usar com sabedoria é um dos piores pecados que o cara comete, tem a faca e o queijo na mão, só pegar e meter a cara, deixando pra curtir um dia por semana, mas não, criança quando não conhece mel, quando vê, vai se lambuzar

Serve de experiência para a gente: o foco no desenvolvimento financeiro, mental e físico deve ser uma constância com disciplina! excelente post!
Começar a segunda-feira refletindo sobre um caso assim é bem produtivo. Por vezes paro e me pergunto o quanto estou contribuindo para o mundo. Por mais que tenhamos nossos momentos de lazer, que são muito necessários, também acredito que não adquirimos a racionalidade para apenas se esbaldar na gandaia.
Mostrar ConteúdoSpoiler:

Perfeito concordo 100%.
Interessante a mente de parasitas.

Ele diz não acreditar em vida após a morte, então qual a razão de temer o fim da estrada? Medo do julgamento e possível sofrimento no fogo do inferno? Interessante.

Ademais, isso só comprova que o objetivo do sistema é tornar todos nós como o Geraldo, anestesiados e dependentes do papai Estado, que nos tratará com migalhas ("benefícios") enquanto desfrutam do dinheiro sujo da corrupção.
Salvo algumas proporções, também tenho um Geraldo na família.
A convivência com uma pessoa assim é muito tóxica, pois a ausência de propósito nos torna pessoas amarguradas e que vivem um eterno "e se"...
"E se eu tivesse feito diferente?"
Só que infelizmente é tarde e as pessoas nesse estado não dificilmente se auto perdoam no fim da vida.
Parabéns Senna! Excelente relato. Fonte de inúmeras reflexões.

Concordo com o Spectro no ponto das doenças psiquiátricas por trás desses indivíduos problemáticos e que não conseguem se estabelecer perante a vida.

Muitos se auto medicam através do álcool e demais drogas. Alguns se afastam do convívio com a sociedade. Na verdade, pode ser a forma que eles encontraram pra aliviar a turbulência de suas mentes.

O pior da jornada do Geraldo foi não acreditar em Deus. Com Deus no comando, muitas coisas poderiam ter sido consertadas. Eis aqui uma opinião pessoal minha.

Dentro do assunto do relato, no entanto, um adendo diferente:

(08-07-2019, 03:23 AM)Senna Escreveu: [ -> ]O tempo passou, a situação financeira da família (pais e irmãos de Geraldo) desandou. Seu pai morreu, assassinado por um homem que já tinha matado outras três pessoas e cometido um estupro, (fruto da impunidade que impera nesse país, já conhecida por todos nós). Sua mãe e seus irmãos foram para Belo Horizonte em busca de uma vida melhor. Uma época de dificuldade que Geraldo não presenciou.
  
Eu já estou cansado dessas notícias. Sou completamente favorável a pena de morte para casos de crimes bárbaros e a recorrência na conduta marginal (sei que é uma utopia e proibido no Brasil, mas seria a única saída). Existem pessoas que estão nesse mundo apenas com o propósito de cometer atrocidades. São pessoas com suas faculdades mentais intactas, mas com a alma necrosada. Deveriam ser extirpados do convívio com a sociedade. E servirem de exemplo de uma sociedade que não admite o mal. 

O país do especialista que diz que devemos encarcerar menos pois as cadeias estão lotadas.

Sendo que o óbvio é que deveríamos construir mais presídios pra comportar o tanto de vagabundo que esse país carrega nas costas.

Mais presídios + punições mais severas = resultado positivo.
(08-07-2019, 10:33 AM)Czar Escreveu: [ -> ]Ótimo relato que mostra como é a vida de muitos homens no nosso Brasilzão.

Senna, você que conhece ele mais a fundo poderia nos dizer. Não é tirando a responsabilidade de Geraldo, mas você não acha que para o cabra chegar nesse estado, não houve uma negligência na educação por parte dos pais. Dando tudo do bom e do melhor para o filho sem ensiná-lo a lidar com isso. Provavelmente, quando mais novo ele dava indícios de uma personalidade negativa, e o que os pais fizeram para corrigir isso? Óbvio que se isso fosse o único problema, ele já teria se corrigido e estaria agora levando uma vida melhor, porém continua no mesmo buraco de sempre.

Creio que sim @Czar, mas não posso dar certeza, porque a minha fonte de informações (minha mãe) é alguns anos mais nova que ele, então não sabe com detalhes como ele foi criado na infância. Considerando que o pai dele era comerciante, não teve que aprender o trabalho duro da roça, como era o padrão da época. Acredito que o caráter de uma pessoa se forma na infância, depois disso só com muito esforço para ter uma mudança.
Eu conheço um monte de Geraldos por aí, isto deve-se para uma deplorável e superficial relação do homem com sua existência, um homem sem esta noção sequer vai entender o quão valoroso é ser um homem que deixe um legado para os seus.

Acredito que isso deva ser um fenômeno mais decorrente no Ocidente e o Hu3zil está incluído no pacote, pois de modo geral, vivemos em uma sociedade cada vez mais secularizada, distante dos valores transcendentais, abandonamos valores e princípios perenes. para nos satisfazermos com futilidades e outras coisas inúteis;
(09-07-2019, 12:28 PM)consigliere Escreveu: [ -> ]Parabéns Senna! Excelente relato. Fonte de inúmeras reflexões.

Concordo com o Spectro no ponto das doenças psiquiátricas por trás desses indivíduos problemáticos e que não conseguem se estabelecer perante a vida.

Muitos se auto medicam através do álcool e demais drogas. Alguns se afastam do convívio com a sociedade. Na verdade, pode ser a forma que eles encontraram pra aliviar a turbulência de suas mentes.

O pior da jornada do Geraldo foi não acreditar em Deus. Com Deus no comando, muitas coisas poderiam ter sido consertadas. Eis aqui uma opinião pessoal minha.

Dentro do assunto do relato, no entanto, um adendo diferente:

(08-07-2019, 03:23 AM)Senna Escreveu: [ -> ]O tempo passou, a situação financeira da família (pais e irmãos de Geraldo) desandou. Seu pai morreu, assassinado por um homem que já tinha matado outras três pessoas e cometido um estupro, (fruto da impunidade que impera nesse país, já conhecida por todos nós). Sua mãe e seus irmãos foram para Belo Horizonte em busca de uma vida melhor. Uma época de dificuldade que Geraldo não presenciou.

Mostrar ConteúdoSpoiler:

#consigliere

Sou favorável também a isso, e, se não for possível, em hipótese alguma o bréjosil aderir a pena de morte, uma boa medida seria uma prisão no meio da floresta amazônica, no modo perpétua, com rigores de segurança nos padrões americanos, com uma área para cultivar o próprio alimento,  próprio sustento e sua manutenção. Se o cara tentar fugir, atiradores tem permissão para dar tiro na cabeça ou, se ainda conseguirem escapar, é só esperar a selva fazer seu trabalho, com a morte doce e lenta dada por doenças, onça, cobra, cair em algum buraco, se acidentar e morrer 10000 x pior do que a vitima que o fez ser encarcerado.
Se tipos assim não aceitarem a benção de Deus, na figura de ter o que é preciso pra correr atrás e na figura de sua família, e escolherem se entregar a dissolução seja por dependência do Estado ou de parentes, não tem o que fazer mais.

Que 'Darwin' dê jeito (ou não). Grande tópico, Senna, rende muitas reflexões.
Tem muito Geraldo nesse mundão, seu relato me fez pensar bastante. Força e honra!
Acho impressionante como totais parasitas como este tem uma vida até "boa", enquanto pessoas boas, q não aprontam e andam na linha, morrem cedo, tem problemas graves que muitas vezes nada tem a ver com ele, etc. O cara se meteu em várias armadilhas porque quis.
É daqueles que como diz aquela música do Racionais: "tá fazendo hora extra no mundo".

No mais é aquilo, já dizia o bandidão Pareja: "desde quando mulher gosta de coisa que preste?"
Na história do Geraldo a única atitude correta, em relação a ele, foi a tomada por seu pai. A expulsão de casa, pois ,creio, haversido algo difícil, duro, e doloroso. Houvesse sido respeitada, não fosse substituída por um "onde comem três, comem oito " , esse utilitarismo masculino iria cantar em outra freguesia. Entre a negação e a aceitação, só consigo ver grandeza na primeira decisão.
Geralmente pessoas assim, são construídas pela má criação dos pais. Educação Comportamental: Aprende-se em casa.

Citarei uma história em particular: Em um dos meus antigos relacionamentos, a garota tinha 4 irmãos homens (um deles; necessitando de cuidados especiais), tirando este por motivos óbvios, os demais (inclusive a própria garota) tinha falhas pontuais de comportamento.

- O primeiro é estilo parasita. Casou, teve dois filhos (um com a primeira mulher), mora junto aos pais em uma estrutura separada, desfrutando de toda a estrutura do complexo do imóvel.

- O segundo é irresponsável. Outro também o qual já possui 1 filho.

- O terceiro fica em casa o dia inteiro jogando videogame e mimado pela mãe.

- Sobre a garota; a mesma desenvolveu um terrível hábito de mentir e omitir devido criação mais rígida dos pais. Em figura de linguagem: O efeito 'Mola'.

No caso, não sei como estão hoje, até a minha saída do cotidiano desta família, eram assim que estavam.

Sobre o caso do Geraldo; a típica pessoa que pode ter tudo (e teve de tudo praticamente), mas, prefere jogar as oportunidades cachoeira abaixo.
Meu tio é assim, aliás penso em criar um tópico sobre ele, a história dele daria um livro ou um filme.
Para resumo:
Meu avô era cigano e tinha muitas posses, casas, terras e toda essa merda. Quando ele morreu, tudo isso foi dividido entre os filhos e uma parte para a minha avó. Como ciganos geralmente não procuram fazer documentos para comprovar suas posses, minha parte da família ficou apenas com duas casas e uma pensão para a minha avó pois ela conseguiu fazer uns paranauês aí. Enfim, meu tio tinha uma boa educação, sabia inglês fluente, tinha diploma e a porra toda, era um cara bem sucedido até. Só que ele sempre foi muito ganancioso e frio, sempre indiferente à tudo e disposto à atropelar até os próprios parentes, já ameaçou até a minha mãe e um outro tio de morte. Devido à sua ambição, ele tinha muitas mulheres bonitas e ele tinha uma que ele era casado, uma mulher muito bonita, nesse casamento ele entrou com a casa herdada do meu avô e coisa e tal. Ele por ser muito ambicioso, cobiçou uma novinha, a qual fez ele pedir divórcio, perder a casa e ir morar com ela. Ele acabou levando chifre, matou o ricardão e ficou foragido, onde entrou pro mundo do crime de vez, foi preso, passou um bom tempo na cadeia, saiu pior ainda e hoje em dia está envolvido com uma facção aí, dizem que ele está fora do país até, foragido.

Estudando um pouco de psiquiatria, que eu gosto, e olhando o histórico dele desde a infância até a vida adulta, eu concluí que ele era portador de um transtorno de personalidade antissocial, ou psicopata. Não sou nenhum especialista, mas contactei alguns online para fins de curiosidade, ele tinha quase todas as características de um psicopata: manipulador, ganancioso, indiferente à dor alheia. Boatos de que quando o meu avô estava doente antes de morrer, ele jogou um balde de água gelada no próprio pai resultando numa pneumonia onde o velho morreu dois dias depois.
Um up nesse relato!

Um ótimo relato Senna!

Esse relato me fez lembrar de algo que aconteceu na minha família.
Eu tinha uma prima que tinha transtorno de boderline que veio a falecer devido a ter cometido suicídio.
A mocinha teve um bom lar, estudou em escola particular, a família do meu tio era bem estruturada.
Mas ela acabou indo para caminhos errados e começou a usar drogas, bebida e muito sexo.
Por fim (passado o tempo) resultou que começou a dar indícios de tentativas de suicídios.
No começo não sei se era para chamar a atenção devido a não gostar do meio em que vivia.
Mas enfim, essas tentativas foram se tornando cada vez mais presentes.
Mas ela não conseguia finalizar porque sempre tinha um da família para socorrer.
A desculpa que ela tinha para tal ato era porque se sentia mal por tudo de mal que tinha feito na vida.
Fico mal por isso! De ver que a menina tinha tudo de bom e que acabou indo para esse caminho.
A vida das mulheres é muito mais fácil.

Uma hora, devem cansar do easymode e ficam inventando ou pepcurando problemas.

O borderline e outros aupostos problemas psicológicos são uma forma de chamar atenção e ao mesmo tempo isentar a pessoa da responsqbilidade de seus atos, corroboradoa pela indústria farmacêutica e illuminati que inventam estes transtornos.

Caso a pessoa tenha um PROPÓSITO de vida, não tem frescura e enfrenta todos os desafios contra tudo e contra todos se fot necessário. Um exemplo é o nosso MITO Presidente Jair, o Messias e também Donald Trump, pra só falar de política. Eles tiveram que sair de suas áreas para entrar na política e fazer a diferença lá. Da mesma forma, em nossas áreas temos que ter o propósito de fazer o que Deus quer que façamos, com coragem, contra os comunistas, isentoes, novaesquerda, elite globalista e cascas de banana ou pedras mesmo que são jogadas o tempo todo.